Cidade na Alemanha se desconecta da rede elétrica e consome 100% de energia renovável por uma hora

4 minutos para ler

Foi em dezembro de 2019, quando as luzes de Natal permaneceram brilhando junto de todas as lâmpadas na cidade de Bordesholm, após a energia da cidade ter sido desconectada da rede elétrica. Os 7.500 habitantes, foram os primeiros residentes em toda a Alemanha a serem 100% renováveis. Eles ficaram completamente desconectados por uma hora inteira, sem que ninguém percebesse qualquer alteração.

Isso ocorreu porque a fonte de alimentação em Bordesholm foi habilitada por um sistema de armazenamento de 10 MW e pelos inversores de bateria Sunny Central Storage fabricados pela SMA Solar Technology AG (SMA).

O sistema de bateria ajuda na estabilização da fonte de alimentação e integra a energia renovável, fornecendo uma queda nas emissões de carbono. O sistema também foi projetado para fazer parte de uma “rede local independente” com recursos completos de ilhamento. Esse desenho é útil quando ocorrem falhas de energia e ajuda a ativar a rede local em operação.

O vice-presidente executivo de soluções de armazenamento e larga escala da unidade de negócios da SMA Boris Wolff, disse que este teste bem-sucedido é um marco importante na transição energética.

“Demonstrou que as energias renováveis podem fornecer energia sem afetar a estabilidade do sistema. De fato, nossos inversores de bateria Sunny Central Storage e o SMA Hybrid Controller fornecem à rede da ilha uma estabilidade e qualidade de energia ainda maiores do que a rede elétrica”, afirmou Wolff.

A intermitência das energias renováveis dependem de fatores externos para gerar energia. Sendo assim, precisam de vento (eólica) ou luz solar (solar), fatores que não estão sempre disponíveis, como combustível em uma termoelétrica ou a movimentação dos rios, como em hidroelétricas.

Para o diretor administrativo da VBB (Versorgungsbetriebe Bordesholm), Frank Gunther, o teste foi uma demonstração impressionante de como já é possível e economicamente rentável expandir sistematicamente as energias renováveis, juntamente com as capacidades de armazenamento necessárias, sem comprometer a confiabilidade do fornecimento.

Diante disso, novos testes deverão ser feitos em breves com sistemas elétricos maiores. “A desconexão, a operação da rede de ilhas e a ressincronização com a rede de concessionárias ficaram sem problemas. O sistema de armazenamento supria toda a demanda de eletricidade da cidade, que poderia ser suprida exclusivamente a partir de energias renováveis”, disse o engenheiro de desenvolvimento de sistemas da SMA, Paul Robert Stankat.

No Brasil, estado do Ceará planeja transformar onda do mar em energia ainda este ano

Cada vez mais, as novas fontes de energia estão se tornando imprescindíveis, limpas e abundantes no mundo todo. Sendo assim, especialistas em energia estão testando e implementando o uso do mar através das usinas de ondas como uma alternativa, ou seja, geração de energia elétrica por meio do movimento das ondas do mar.

Em 2012, no Ceará, foi instalada uma usina de ondas do Porto de Pecém, localizada no município de São Gonçalo do Amarante, a 60 km de Fortaleza.

O projeto é resultado da parceria entre os pesquisadores da Coordenação dos Programas de Pós-Graduação de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Coppe-UFRJ, e foi financiado pela Tractebel Energia (atual ENGIE) onde teve apoio do Governo do Estado do Ceará. O investimento foi de R$ 15 milhões, mas o projeto foi paralisado porque o contrato acabou em 2016.

No entanto, em 2017, o então coordenador da usina e professor Segen Estefen, retomou os experimentos no Ceará, com previsão de conclusão total prevista para este ano. Atualmente, a coordenação também foca na construção de uma usina de ondas no Rio de Janeiro, desta vez, em parceria com a Furnas e com a Seahorse Wave Energy.

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-